Uso Terapêutico

   As preparações com cetamina são usadas na medicina humana como agentes anestésicos e analgésicos. Têm especial aplicação clínica na anestesia pediátrica, em ambulatório e no tratamento de indivíduos que sofreram queimaduras recentemente. A cetamina suprime a respiração muito menos dos que os outros anestésicos, contudo devido aos seus efeitos alucinogénios, esta não é o anestésico de primeira escolha, e a dose a utilizar tem que ser devidamente avaliada. Mas o seu maior uso é na medicina veterinária, sendo usado como anestésico de acção geral e é considerado indispensável pela Federação Europeia de Veterinários. (25)

   Uso Humano:

  Anestesia/sedação: usada para induzir e manter a anestesia. É usada para induzir sedação consciente em emergências pediátricas, endoscopias, cateterismos e intervenções radiologicas. A sua maior vantagem é o seu efeito broncodilatador que a torna particularmente vantajosa em crianças que necessitem de ventilação para a asma.

Analgesia: A utilização de cetamina e de seus isómeros, em baixas doses, apresenta perspectivas promissoras em anestesia e na analgesia pós-operatória. A analgesia pré-operatória com cetamina diminui a sensibilização aos estímulos dolorosos, diminuindo a necessidade de morfina depois da cirurgia. A cetamina intravenosa em baixa dose é um potente e seguro adjuvante à analgesia opióide sistémica. Também poderá ser benéfica para o tratamento da dor crónica em adultos. (26)

A cetamina pode ser usada em casos específicos como:

Obstetrícia: Apresenta um efeito anestésico rápido, que é vantajoso em cesarianas. Atinge superioridade em pacientes hipovolémicos e com broncoespasmos, quando comparado com o tiopental. (27)

Pacientes que sofreram queimadurasEstes pacientes requerem procedimentos dolorosos frequentemente, sendo a cetamina uma excelente opção, porque evita o uso de técnicas anestésicas que levam a hepatotoxicidade, quando administradas frequentemente. (28)

Pediatria – é a área de maior aplicação deste fármaco, porque nas crianças, os sonhos e alucinações são em menos frequentes, como pela variedade de aplicações de diagnóstico, punções venosas difíceis, punções lombares, endoscopias e estudos em Imagiologia, porque muitas vezes é tecnicamente difícil a administração de anestesia geral para fazer uma tomografia axial computorizada (TAC) e uma ressonância magnética, sendo este fármaco usado sem contra-indicações. (29)

Cirurgia cardíacainduz a anestesia, conservando as constantes hemodinâmicas (frequência cardíaca e pressão arterial), comparativamente com a morfina e derivados da morfina. As associações da Cetamina/Diazepam e Cetamina/Midazolam, diminuem os fluidos pós-operatório e a necessidade de vasopressores. (29)

Vias aéreas obstruídas em indivíduos com alterações na anatomia da laringe, malformações congénitas em crianças, o uso de cetamina permite fazer uma laringoscopia expansiva, mantendo a função respiratória e localizar o problema. É usada também em asmáticos. (29)

Problemas gástricosboa alternativa, sem a perda da função respiratória pois conserva os reflexos protectores da deglutição e permite entubar sem ocorrer o risco de broncoconstrição. (29)

Como constituinte de cremede aplicação tópica para a dor: a mistura mais comum é 10% de cetoprofeno, 5% de lidocaína e 10% de cetamina. (30)

Tratamento do alcoolismo e da dependência em heroínaA cetamina pode ser usada como parte do tratamento do alcoolismo, como forma de superar o período de abstinência. Este método envolve também psicoterapia. Para o tratamento da dependência em heroína, sessões de que utilizem cetamina obtiveram melhores resultados do que a utilização de um placebo activo. A cetamina atenua os sintomas de abstinência quer no álcool, quer na heroína. (31, 32)

Estados epiléticosA cetamina pode ser usado em casos prolongados de epilepsia. Existem evidencias que o efeito bloqueador do receptor NMDA protege os neurónios do dano glutamatergico durante convulsões prolongadas. (33)

Uso como anti-depressivoem indivíduos que sofram da síndrome da dor do complexo regional, que sofrem normalmente de depressão, baixas doses de cetamina podem ajudar a combater a depressão.  Estudos realizados surtiram efeito, uma vez monitorizados os efeitos secundários alucinógenicos. A cetamina actua como antagonista dos receptores NMDA. (34)

  A maioria dos casos a via de administração é intramuscular ou intravenosa, porque torna-se de acção mais rápida e na terapêuticas os indivíduos nunca apresentam sintomas psicotrópicos porque as doses são terapêuticas. (35)

 

  Uso veterinário:

  A cetamina é usada para a anestesia e para efeitos analgésicos em gatos, cães, coelhos, ratos e outros animais pequenos. Os veterinários usam a cetamina como fármaco sedativo para produzir uma anestesia e uma analgesia balanceada, de forma a prevenir a dor final. É usada para gerir a dor em animais de grande porte, com efeitos menos salientes em bovinos. É o agente anestésico intravenoso primário usado em cirurgia para equinos, em conjunto com outros fármacos. (36)